terça-feira, 26 de junho de 2018

O Amor Cristão transcende às belas palavras




-Quem verdadeiramente ama a Deus
Tem a peito o amor a seu próximo

- Como aquele bom samaritano que socorreu a
Um desconhecido que fora assaltado e maltratado
Quase à morte por assaltantes de estradas
Que como aves de rapina surpreenderam
O pobre coitado pelo caminho -

-E com ele seu próximo partilha sem hesitar
Tudo o que traz consigo no momento do encontro
Se preciso for até as sandálias tão necessárias
Porquanto na hora calçam-lhe os pés a caminho!

RELMendes – 21/06//2018

domingo, 10 de junho de 2018

Insistir em partilhar amor atento faz a diferença


-Como ninguém diz o que se esconde
Nos desvãos de su’alma plangente...
Quiçá/ por que/ neste então/ em que se vive/
Todos estejamos/ por demais/ ensimesmados/
Ou ocupados/ conosco mesmos/ e com nossos
Tantos anelos/totalmente/ descompromissados
Em se aperceberem/ de pronto/ dos lamentos/
E dos tantos porquês/ pelos quais alguém
Se perde em prantos/ á cântaros!
-Concito-lhes /então/ a revertermos/ de pronto/
Tão lastimável despautério!

-Pois/ pressinto que isto/ensimesmar-se/
A mim me parece/por demais/ prejudicial:
- Tanto pra quem se impede de partilhar
Sua atenção para muito além de si mesmo...
- Quanto pra quem precisa ou quer espantar
-  pra longe de si -
Os tantos embrolhos / magoadores/ que fazem
S’alma  plangir/ aos borbotões/ de desolação/
Por estar sozinho/ à deriva de sua invisível tristeza/
Tão  dolorosa/ pra si mesmo!
-Concito-lhes /então/ a revertermos/ de pronto/
Tão lastimável despautério!


RELMendes – 07/06/2018


segunda-feira, 4 de junho de 2018

A FLOR- ANGÉLICA DO SERTÃO

Madre Maria Angélica da Eucaristia ocd
Carmelo Maria Mãe da Igreja e Paulo VI
    (Um belo exemplo de Fé!)


-Carinhosamente...convido-lhes a trilhar...comigo,
Pelos caminhos de minha eterna gratidão
À essa amada Flor-Angélica do Sertão...
Então, vamos lá ver...agora,
O que tenho, em versos, sobre ela, a dizer-lhes:

-Mas donde será mesmo, que a nós veio...
A Flor-Angélica-Sertaneja,
Esse ser humano...tão luminoso,
Tão profundamente feminino,
Tão sabiamente acolhedor,
Tão imensuravelmente maternal...
E tão aparentemente frágil...quase-etéreo,
Que...inebriado de “Divinal Amor”...
Sempre a todos encanta e ilumina
Com seu suave sorriso...discreto,
E seu maternal olhar acolhedor?

- Bom! Se verdadeiramente, assim o é, e é...
Então, revelar-lhes-ei...em prosa e versos,também,
Outros tantos ternos detalhes, maravilhosos,
Do semblante espiritual...angelical,
Dessa santa mulher, totalmente, de DEUS!

-Mas insisto, sem hesitar, em perguntar novamente:
- Donde será mesmo, que poderemos encontrar
Esse Anjo-mulher-sertaneja...tão fértil...espiritualmente,
E de tão límpida transparência...espiritual,
Que a todos nós cativou...à beça, de imediato,
Logo em que, por aqui chegou, nesse Sertão,
- Com suas santas companheiras...de comunidade,
Para a fundação de um Carmelo aqui
Em Montes Claros(MG) -
Naquele já tão distante dia...tão feliz/
Em que até um belo crepúsculo /sertanejo/
Com ela e suas companheiras/se deslumbrou/
Naquele entardecer inesquecível?

-Ah! Se por ventura, há aqui, alguém...
Dentre nós...que saiba de onde ela veio,
E aonde tão bem se esconde...agora,
Essa bendita dádiva tão celestial...pra nós/
Por favor, que se apresse em nos revelar,
I-M-E-D-I-A-T-A-M-E-N-T-E!

-Pois, se de pronto...ao chegar aqui no sertão,
Esse amado Anjo carmelitano...logo se aninhou
Em nossos acolhedores corações, sertanejos,
Também de pronto, desejamos saber logo
Donde ele, esse Anjo carmelita, veio,
Onde pousou...e aonde...verdadeiramente,
Montou, entre nós, sua tenda de ternura...
Bondade e imenso Amor!

-Ah, mas quem será mesmo... Flor-Angélica-Sertaneja,
Essa tão amada flor celestial, desse sertão sofrido...
E, em que jardim, ela mesma se plantou jubilosa
Para mais, oportunamente, nos sombrear...à beça,
Com as divinas “surpresas de Deus”?

-Bom!... Há quem diga que ela veio...
Das entranhas das surpresas de “DEUS”;
Outros afirmam...veementemente,sem hesitar,
Que ela procede do “Coração Misericordioso de Jesus”;
E outros ainda, falam que veio diretamente do “Céu”...
Pra nos consolar e nos conduzir rumo à “Casa do Pai”!...

-Entretanto...verdadeiramente, há que se dizer:
- Quer por isso...ou  por aquil’outro...
Flor-Angélica-Sertaneja  veio
- para o meio de nós, e ficou conosco! -
A fim de que...com suas constantes orações, piedosas,
Deus não nos permita jamais, que nos enveredemos
Pelas sinuosíssimas,trilhas
Desse nosso tão breve, caminhar, terreno...

-E quanto, por aqui, nessas plagas distantes,
 Aonde se plantou, enfim,
Essa tão amada Flor-sertaneja?
-
Ora! Digamos que ela mesma...
Se plantou, nos sagrados jardins
Do “Carmelo de Teresa”...
Para perfumá-los ainda mais de amor...
E pra inebriar...de felicidade e alegria,
Seu “Amado Senhor Jesus”...
Que sempre vem por ali, repousar...
No apaixonado coração, de sua amada
 Flor: - irmã Maria Angélica da Eucaristia!

Montes Claros (MG), 07-05-2014
RELMendes 



quinta-feira, 31 de maio de 2018

Vem!




-Teus cabelos são,para mim, mechas de mel.
Ah! Quero brelhar-me plenamente, por elas à noite inteira!
Teus olhos, azuis ou verdes, me fascinam
Ah! Anelo que lampejem-me a mim e a meus olhos,
;Sem cessar jamais! .
Teu corpo franzino repousa no meu regaço.
(e o meu no teu!)
Ah! Almejo, imensamente, que eles se rocem
E se enrosquem à vida inteira!
Tua ausência é sombra de tristeza.
Assaz angustiante a mim, teu apaixonado amante
Que por ti,queda-se aqui, de amores!

-Então... vem depressa,sem hesita jamais!
Para que sintamos juntos, um ao outro:
- O beijo molhado da madrugada, conivente conosco,
- O último piscar de nossa estrela, curiosa à beça,
- O calor do primeiro raio do sol,a brilhar,desavergonhado,
Em nossa alcova, totalmente, desarrumada
Pelos nossos luxuriosos desvarios de amor intenso, às nuvens!

-E, por fim, ledos...de amores dados,compartilhados
E degustados, sem restrições algumas sequer,
Desfrutemos, plenamente,então, o derradeiro suspiro
De nossos corpos satisfeitos, por instantes!

São Paulo (SP), 22 de março de 1984
RELMendes

Dedos que tocam-nos a alma Mimo à amável Raquel Crusoé Loures



-Ó/ que posso eu perguntar-me  agora/ senão:
- Donde será mesmo que nos vêm/ neste então/
Estes sons tão maviosos/que ao ouvi-los/
Aos ares espalhados/ tanto acalantam-nos
Às almas ávidas/ de alumbrarem-se/mesmo sol a pino /
Até/quiçá/ às nuvens passeadoras/ a brincarem/sem cessar/
Nos altos ares celestes?

-Ora/ saber/ bem o sei eu de onde eles vêm /aos flocos:
- Simplesmente de um piano/ qualquer piano a tocar melodias!
Mas/há/ esses -  sons - que/vez por outra/ os  auscutamos/
Enternecidos/cá pelas bandas daqui /desse Sertão amado/  
Só se exalam de um piano/ ou de qualquer piano/aos ares/
Quando  ele/esse piano/ é/ hábil e prazerosamente/dedilhado
Pelas delicadas e ágeis mãozinhas/aligeiradas em tocá-lo/
Da mais terna e bela pianista deste Sertão:
- A nossa doce Raquel Crusoé!

-Ah!Sem dúvida alguma/ não há/ nesse Sertão ou alhures/
Quem não se enterneça/profundamente/ao ouvir ou vê-la
Dedilhar com maestria as teclas/ sonoras/ de um piano/
Que/ aos toques dos dedos dela/certamente/ musicalizar-nos-á/
Sem avareza/quiçá/ a Vida inteira!

RELMendes -30/05/2018


quarta-feira, 23 de maio de 2018

Se aperceber de alguns detalhes da vida é preciso


-Quem se descuida de seus pais/ na envelhecência deles/
Perde uma excelente oportunidade de conhecê-los
Sob um novo ângulo totalmente/ oposto/ ao de provedor...
Sempre ali à disposição dos filhos, pra o quê der e vier!

-Entretanto/ quem/ resilientemente/por nada desse mundo/
Não se ausenta em cuidá-los/ na envelhecência deles/
Seguramente/  desesconderá / para si mesmo/
As pessoas maravilhosas que eles/ seus pais/
Na realidade/ o são/ no silente mistério de seu ser /
Ainda pungente de vida a pulsar/ aos borbotões/
E de sonhos e mais sonhos a pulularem/ aos flocos....
Prestes a florir ao léu!

 -Mas descobrir isto/ só  após o partir deles rumo à eternidade/
E pôr-se a lamuriar-se sobre os porquês de tanta descompaixão/
É no mínino um despautério achaquante... Ora!!

RELMendes – 22/05/2018


O que passou /passou


-Tudo é tão passageiro
Vida/ Amores/ Prazeres
-Tudo é tão veloz
Sonhos// Anelos/até Dores
E banais Bem-quereres
-Tudo mal principia
E zás/ vai-se ao vento!

-Quando nos damos conta/pronto:
Restam-nos rastros/ apenas/
Daquele tudo /tão ligeiramente pleno/
Mas também/ tão ligeiramente veloz!

-E depois/ cá quedamo-nos nós/ como fôramos
Cata-ventos a girarem tresloucados/ sem cessar/
Quiçá/ a espera do retorno/ desse tudo/ passageiro/
- Tão lmprevisivelmente/rápido -
Que não voltará/novamente/ Jamais!

RELMendes – 23/05/2018




quinta-feira, 17 de maio de 2018

Meu voo é sempre altivo


-Queiram ou não/ arribo-me aos céus sim
Quer ao alvorecer esplendoroso
Ou ao anoitecer quase em breu
A qualquer momento que me apraza
E despudoradamente!

-Se me espanto de repente
Por qualquer coisinha à toa
Inexpugnavemente
Alço voo /pra bem alhures dalí
Quiçá/ por inesperado susto
Quiçá/por um instinto maior:
O de sobrevivência/ quem sabe?

-Mas sempre voo ou voarei altivo a procura
D’onde eu possa aconchegar-me tranquilo
Sem temor algum de me apoquentar à beça
Seja lá porque quer que o for!

-Será que há nesse mundo este bendito lugar?
Se há ou não/não sei/ mas anelo-o
Inexpugnavelmente!

RELMendes – 17/05/2018


domingo, 13 de maio de 2018

Parabéns à todas as mães do mundo



-Tenho por certo/ que só a reciprocidade/ explicita/
Dá início e/ sobretudo/ continuidade/ a olhos vistos/
A um grande amor ou a uma incrível amizade perenes...
Com grande chance de sucesso...permanente/
Quiçá eterno/ como a reciprocidade de amor entre mãe e filhos!

RELMendes – 10/05/2018

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Necessidade não se discute/suprisse-as



Eu tenho precisão de ser bom /à beça/
Sobretudo/nas miudezas do cotidiano.
Ou seja. Sabendo-me / também/portador
Das mesmas fragilidades humanas/ de todos/
- Que não são poucas! -
Desejo acolher-me/ a mim mesmo/ e aos outros/
Com muita sabedoria/ compaixão/à beça/
E/ sobretudo/ paciência/aos  montes/
Ora! Como quem sabe amar pra valer/ de verdade!

-É o mínimo em que devo aprimorar-me / sem hesitar/
Para ousar falar em bondade com alguém
Que/ por ventura ou desventura/ deseje
Aconselhar-se comigo sobre seu anelo de ser
Uma pessoa  pra lá de boa/ mesmo...
Senão/ nada mais sou que um hipócrita/ cretino/
Fingindo-se de santo. E isto é uma lástima!

RELMendes – 02/05/2018



sexta-feira, 27 de abril de 2018

É possível expandir a ALMA sem limites?


Ah! Expandir a ALMA sem limites:

- É uma estória de ir além...
- É um anelo de ir alhures...
- É um chamamento/ interior/
A concitar-nos /insistentemente/a ir busca
D’outras plagas...distantes!
- É o “Navegar é preciso” de F Pessoa...
- É ânsia de viajar horizontes
Desconhecidos...
-É ser viajante/ peregrino... mundo afora!

-Ah! Isto /de expandir a alma/ ao léu/
É / de per si/uma ânsia inerente
À toda criatura humana/ sem exceção!
Precisamos / então/sair / viajar/ voar...
E ir /quiçá/muito além/
De onde se possa imaginar!
Ou seja: - “Al di lá”!

RELMendes 07/04/ 2018



segunda-feira, 23 de abril de 2018

Quer mesmo/ ser /verdadeiramente/ livre / quer?




-Pois se decida a perdoar! - Perdoar sempre!
Para não cultivar ou se enredar nas malhas da erva daninha
Da avassaladora ira que sempre nos aprisiona /por demais/
A quem tentou ou tenta denegrir nossa imagem/à toa/
Ou/ simplesmente/ magoou-nos profundamente...
Quiçá/sem motivo aparente justificável!

-Então/ é só se perdoar!  - Perdoar-se sempre!
Sobretudo/ por não ser quem desejaria sê-lo/
E /por algum motivo/sabe-se lá qual/ nunca o conseguiu
Vez que se deixou/quiçá/ conduzir à revelia/ desmedida/
De seus parvos caprichos inconsequentes...
Sem valorizar sequer seus próprios talentos!

 -Então/ decida-se também a perdoar a Deus! – Perdoá-lO
Por não atender suas impertinentes solicitações /insistentes/
Vez que /a “Ele” /pra quem crer/ninguém o manipula/
Já que a Sua liberdade é/ verdadeiramente/ imanipulável/
Mesmo porque/ a todo o momento/ “Ele”/ Deus/ supre todas
As nossas necessidades/ abundantemente...ora!!

-Por fim/ totalmente livre/e reinaugurado/ voe na boca do vento/
E saboreai / despudoradamente/as inúmeras delícias de ser
Um perdoador/inveterado/ por decisão própria/
Sem predisposição alguma a se dispor/novamente/
A sofrer as dores d’uma alma/ sensível/à beça/
Por coisas tão miúdas...

RELMendes – 17/04/2018


Felicidade é coisa de rápidos momentinhos



-Então quem sabe/quiçá/ um dia/
Eu não descobrirei / de repente/
Como acender  minha visão
E então perceba que a anelada felicidade
Esconde-se nas coisas simples da vida/
E que por aqui nesse mundão ela jamais
Será perene... Mas não mesmo!

-E porquanto/ah/ arregalarei bem os olhinhos
Para não correr o risco de perder/ por desleixo:
- O abarrotar-se de flores os jardins...
- O gargalhar das crianças ao término das aulas...
- O deliciar-se com um sorriso amigo...
- O jogar conversa fora com quem encontramos...
-  O espiar ao crepúsculo adormecer-se....
Etc & tal

-Sabedor disto/ quem sabe não devorarei/ ávido/
Todos instantinhos de felicidade que/por ventura/
 A vida me oferte/ generosamente/ aos montes/
No transcorrer dos meus dias ainda a serem vividos/
Em total plenitude hein?!

RELMendes – 19/04/2018


Sabedoria de sertanejo brejeiro


(Um cadim de sabedoria, até que é bão, né não?!)



Ah!Quando a gente ama sem ser amado,
A solidão produz saudade doidíssima...
Mas quando a gente se mete a amar sozinho,
Abrem-se as janelas d’alma pra malvada amargura,
E ela/,essa vadia, se instala na gente, sem pena, sem dó!

E se a gente insistir em amar sem ser amado,
Sem ser querido, sem ser compreendido...
Aí é dá muita trela à inconsequente imprudência,
Que, por si só, desgasta muito o brio d’alma da gente!

Ah! Mas como não ser imprudente, insistente e inconseqüente,
Se a gente sempre está em busca de um  amor pra gente?!
Então, quem sabe se não vale a pena. demais da conta,
A gente ser só um pouquinho imprudente, hein?

Montes Claros (MG), 20-04-2014
RelMendes

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Perdão e ternura dão-nos leveza d’alma



-Se quem se permite acumular ressentimentos inúmeros
Jamais conseguirá/ em momento algum/ voar alhures
Vez que/ sem dúvida/ não dispõe a leveza suficiente
Para alçar voo além de suas pesadas mágoas...
Porquanto/ eu tento ser/ plenamente/perdão e ternura/
A fim de voar muito além de meus sonhos/ sonhados!
Suspeito/ então/ que amealhar quinquilharias não é /deveras/  
Um bom negócio pra quem pretende evadir-se/ de repente/
A qualquer momento/ hora ou dia!.

-Quem/portanto/ no percurso dessa vida/tão bela/
Vai amealhando/ sem limites/ quinquilharias / inúteis/
- quer matérias ou/ sobretudo/ afetivas -
Por decerto/jamais obterá a necessária leveza d’alma/
- Que lhe é/diga-se de passagem,/ imprescindível -
Pra se desvencilhar / mais fácil e definitivamente//
Das amarras grotescas da avareza /tão viscosa à gente,..
E /por fim /saborear/ nas asas da liberdade/ as delícias do partir/
Alhures/sem a sensação angustiante e lamuriosa/ da perda
A macular-lhe/quiçá/ o porvir/ deveras alvissareiro/
Não importa onde esse porvir esteja... Ora!

-Então/ só nos resta apressemo-nos / sem delongas//
Em abrir mão de quaisquer/quinquilharias que nos impeçam.
De evadirmo-nos/ mundo afora/livremente/
Enquanto o tempo urge a nosso favor/ e pronto!

RELMendes  26/03/2018


Tua faceirice derrama-se ao caminhares E esconde-se no lado esquerdo de nosso peito



-Oh/ tu que passas/ tão despercebida /a tudo/
Que nem a mim/ nem/tampouco/ às flores d’outono/vês/  
Nem/sequer/ao menos /ouves-nos a planger/aos prantos/
Ao teu deplorável descaso/ sem nenhum cabimento/
Saibas/ pois/ então:

- Eu/lamento/ por versos já não mais os ter/aos montes/
Para decantar meu amor / por ti/aos borbotões de paixão/
- Elas/ as flores d’outono/ lastimam/ por não aspirares/ deliciando-te//
Seus aromas inebriantes/exalados/ sem avareza alguma/
Para /tão-somente/perfumar teu caminhar/ quiçá/ suave/
- Embora/ por demais/ arrogante/ a nossos olhos! -
Mas bem o sabemos que assim o és /plena/
E se a ti/pouco te importa/ nossa plangência!. Que pena!
Mas/por favor/prossigas faceira sempre!  Sobretudo aqui/ no lado
Esquerdo de nosso peito/por ti/totalmente/ encantado/ sempre!

RELMendes – 03/03/2018



Um súbito Amor de Outono

(É / totalmente/ possível!)

-Cá estou eu/ novamente/
A escarafunchar...por todos os lugares/
D’onde eu possa ter escondido
As sementinhas daquelas florzinhas
Que tanto as aprecio/ enormemente:
- Amores-perfeitos... – Miosótis...
- Margaridinhas campestre...
Porque é /Outono!/

-E/ porquanto/ a gente precisa enfeitar/
Às pressas/todas varandas da Vida/:
- Às das nossas casinhas aconchegantes/
E /sobretudo/às de nossas Almas/ carentes!...
-Pois/ em sendo Outubro
- A qualquer momento -/
 Pode ser que/ de repente/
O Amor venha nos visitar
Novamente! Quem sabe?

RELMendes – 07/10/2013

terça-feira, 20 de março de 2018

Quem ama/ama tudo o que vive/ Ao seu derredor/ e alhures!



Quem se abarrota de Amor/ verdadeiro/
- Tal qual o fizera um tal José de Maria -
Não se disporá jamais/ à maledicência alguma/
Vez que está sempre muito ocupado
Em espargir candura/ por aí afora/
Quer a quem o acolhe/ ou a quem o despreza...
Pois seu coração transborda/ à beça/ de ternura...

-Portanto / quem se abarrota de Amor/ verdadeiro/
- Tal qual o fizera um tal José de Maria -
Ainda que/ de imediato/ nem sempre se dê conta
De tantas maravilhas /no mundo/ não escondidas...
Simplesmente ama/ e ama /sem medidas :
- Gente... Flores... Marias... O Menino de Maria/
Enfim,/até Passarinhos...etc & tal!

RELMendes 19/03/2017

domingo, 10 de setembro de 2017

Talvez/ só mais um cadim de ternura bastasse (Para que o mundo fosse bem melhor!)


-Assunta só:

-A sábia árvore/ velha/ sempre oferta/
Generosamente/ sem avareza /alguma/
Sua deliciosa sombra fresca e abundante/
A quem dela se achega cansado/ da caminhada/
Pra descansar/ um pouco/e refrescar-se/ à sua sombra.

-Mas assim sendo/ a velha árvore/ frondosa/e sábia/
Só deixa transparecer / apenas/ a olhos curiosos/
A agradável sensação de prazeroso frescor.
Destarte/ então/ela /a sábia árvore/ velha/
Consegue camuflar /totalmente/ até muito bem/
A feiúra de suas raízes /por vezes/
Completamente/desnudas!...
 
-Pois/também/ à parecença da sábia árvore/ velha /
O ser humano/ (ao envelhecer) deixa/ à mostra/
Por vezes/ suas afloradas raízes (quer feias ou belas)
Que ora /pela indelicadeza/ espantam /os curiosos/
Que imprudentes/ delas/ se aproximam...
Ora/ por conta de tanta ternura/
Encantam àqueles que /deslumbrados/
Inebriadíssimos/ as contemplam/ boquiabertos!

-Portanto / feliz / então/daquele ser humano/abençoado/
Que/ desde o seu nascer/ fincou suas raízes/
No singelo canteiro da doce /ternura/ para absorvê-la/
Porque sempre será capaz de surpreender/ a todos/
- Com um sofisticadíssimo/ encantamento -
No divino momento /de qualquer encontro!...

-Pois/ à parecença dos belos ipês /lilases/
O ser humano que sempre se alimentou
Com a saborosa seiva da agradável/ ternura/
Mesmo que já vivendo/ na ancianidade /tão temida/
Ele sempre semeará /prodigamente e/ sobretudo/
Surpreendentemente / pétalas de gentileza/
Ao entorno /de tudo/ e evidentemente/ de todos/
Por onde pisarem seus pés /delicados/
De bondoso e terno/ mensageiro da Ternura!...   


Montes Claros(MG), 01-04-2012
RELMendes