domingo, 28 de maio de 2017

Aos Sábados, eu simplesmente Versejo!


Óh minh’alma /alada/ de sonhos/ e peraltices/
Tu que voas /ou te dependuras/ muito além/ dessas plagas/
Onde / escondo-me/ por detrás/ só/ de meus
Quereres... Por favor/ rogo-vos:
Conduza-me a enxergar/ com muita ternura/
Todos os viventes/ como meus semelhantes/
Para que eu possa degustar /o Amor Celestial/
E a Paz/ que tanto almejo. Sobretudo/ porque/ hoje/
É sábado/ ara!

RELMendes 27/05/2017

sábado, 27 de maio de 2017

SE HOJE É SEXTA FEIRA


Hei / então/ de entreter-me... /Tão-somente/
Com o que me impulsione /aos Céus/ abertos à todos/
Pois ;as Coisas do Alto/... Fascinam-me!

Se hoje / de fato/ é Sexta Feira...
Então é dia de aquietar-me/...
/Ainda que só um pouquinho/
Para auscultar.../em Silêncio/
Tudo o que /em minh’alma/ se esconde.
Pois /às Sextas Feiras/ sempre/ disponho-me
A entreter-me/ comigo mesmo/ em Silêncio
Vez que ele/ o Silêncio; só declama
Quem somos... /Verdadeiramente/
Se não balbuciarmos /sequer/
Uma só palavra...
Pois /então/ Psiu... Silêncio!
Hoje/ estou me procurando!.

RELMendes 17/02/2017

sexta-feira, 26 de maio de 2017

SE HOJE É QUINTA FEIRA



Então/ ah/ caminharei por aí afora
Agradecido e com o/ imenso/ desejo
De enxergar as pessoas/ por inteiro/
Muito além/ mas muito além /mesmo/
De suas /rotas/ aparências!...

Embora /algumas delas/... Deveras!
Não sejam lá flor que se cheira...
Eu ainda assim creio.../piamente/
Que /na realidade/ todo ser humano
É uma das primícias da criação
Do amado “Pai Eterno”.

E /por quanto/ eu as acolherei... Sempre!
De coração e peito... Abertos!
Simplesmente/ ah/ porque não abro mão
De vê-las/ tal qual /o Pai Eterno/ as vê.
E pronto!


RELMendes 16/02/2017

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Se hoje é Quarta Feira...Enternuremo-nos, pois!


Quem sabe/ então / não seria muito bom
Abrirmos as janelas d’alma /tacanha/
Pra que os ventos da Ternura /generosa/
Arejem seus desvãos /embolorados/:
- Ou pelo mofo da desconfiança
No ser humano!
- Ou pela pecha da descrença
No que quer que seja!
- Ou pelos dissabores do desamor...
Frequentemente compartilhado/ entre nós/
- Ou mesmo por tudo isso junto
E muito mais ainda /enfim/.

É... Em assim sendo / quem sabe / então/
Não possamos/ nós/... Como as crianças...
/Ingênuas ou não/
Enternecer a tudo e a todas as pessoas
Por esse imenso mundão/ de meu Deus/ afora/
Com as nossas mais simples atitudes/ pueris/...
Tão singelas/... Mas de uma Ternura./ tão simples/
Que /sem dúvidas/ até a nós /mesmos/
Desfalecerá / também/
De tantas alegrias que em nós
Pulularão /insistentemente/, hein?
É.... /Quem sabe/ né?


RELMendes 15/02/2017

quarta-feira, 24 de maio de 2017

AH, SE HOJE É TERÇA FEIRA, DEIXA A JIRIPOCA PIÁ!


Então quem desejar caminhar por aí afora
Levando consigo um imenso girassol
Na aba do seu minúsculo chapéuzinho azul
Ou na aba do seu lindo palitó de festas
Ou simplesmente só pra encobrir sua peladez
Pode... Deve... Sinta-se a vontade, mesmo.
E deixa a Jiripoca piá sem se preocupar!
Porque hoje é Terça Feira e desde há muito
Isto foi decretado em um dos artigos
Do “Estatuto do Homem” de Thiago de Mello.

Ah! E se isso foi decretado por um Poeta
Desse naipe, tenha por certo que é
Um Direito Adquirido que não há, nesse mundo,
Quem o possa revogar... Jamais!

Sabe afinal, porquê? Porque Poeta não lesa a Pátria
Nem precisa tampouco de propina para declinar
Seus versos de amor pela humanidade inteira.
Poeta simplesmente ama... E porquanto,
Conhece profundamente as essências
De nossos tantos incontáveis Lamentos.
Então deixa a Jiripoca piá sem se preocupar, viu?


RELMendes 14/02/2017

terça-feira, 23 de maio de 2017

A Segunda Feira chegou sorrindo


Portanto não há choro
Nem velas nem fitas amarelas
Chegou Chegou Segunda Feira...
Repleta de vida que segue apressada
Aligeiradamente movimentada... Sô!

Nas Segundas Feiras o mundo inteiro
Cheira pãozinho quente cheiroso
Aperreiam-se homens... mulheres,
Crianças... Jovens e Velhinhos...
Que buliçosos acompanham
A Vida que segue... Aligeiradamente,
Movimentadinha Movimentadinha... Sô!

Posso até ser estrambelhado
E verdadeiramente o sou...
Mas é por isso mesmo que adoro
Uma aperreada Segunda Feira...
Sempre Sapeca... Buliçosa... Acochada:
Quer em Ônibus Trem Táxi UBER ou Metrô...
Ou espaçosíssima... Quando
Em veículos próprios ou apropriados
Aos velhos costumes de qualquer  lugarejo:
Jegues... Marruás... Canoas... Jangadas
Bicicletas...e até em Camelos, meu!
Ah,e também a pés em chão, viu?!
Enfim, e por quê não, Sô?!

Ah! O importante é que a Segunda Feira
Chegou e chegou botando o bocão
No trombone... Em alto e bom som:
- Levanta... Levanta... minha gente,
E vem pra rua VIVER... E viver,
Aligeiradamente... Com muita Alegria!
Pois é mais uma linda Segunda Feira..
Que...generosamente, O bom DEUS,
Mais uma vez a nós ofertou... Sô!


RELMendes 13/02/2017

domingo, 21 de maio de 2017

DIA DE DOMINGO


Dia de descanso Insosso!
Dia de marasmo Chocho!
Dia de tédio Manhoso!
Dia de macarronada Miojo!
Dia de lonjuras  por vezes
Intransponíveis!
Dia de cumplicidades Rotas!...

Enfim, Dia de Domingo...
Quer Aqui... Alí... Ou lá acolá:
- em Paris ou Belém do Pará
em Cabrobó ou Chapecó –
É sempre um dia de bestices...
Preguiçosas!
Abalroadas de esperas...
Demoradas!
Por uma buliçosa Segunda Feira
Que por decerto... Virá,
Lindamente!
Mas que só virá... Amanhã,
Lentamente!


RELMENDES 12/02/2017

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Enquanto a Vida ainda acontece



No voltear estonteante da saia godê da noite
- Bordada de estrelinhas lampejantes
E alumiada de clarão de luar prateado -
Debrucei-me...  Displicentemente!
E dei-me aos sonhos às ilusões despudoradamente
Sem me aporrinhar jamais com o que dirão de mim
Os impertinentes nem os maldizentes
Nem tampouco os hóspedes da vida alheia
Vez que nem se apercebem sequer
Ser eu, ainda que longevo, um brincalhão
Que ama imergir no breu da noite vadia
Para alumiar meus sonhos e ilusões tantas
Com brilho das estrelas e argentá-los
Ao clarão do luar que clareia a noite dos enamorados
Em tempos de lua cheia a lampejar sem avarezas.

Ah! E a quem interessar possa, assim o farei, sempre, sim!
Enquanto o espetáculo da Vida, em mim,
Ainda aconteça... Radiante!


RELMendes 16/05/2017

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Parabéns, Mãe! Que não haja ausências em sua vida!



-Óh filhos e filhas amados da Mãe amada
Reparem bem no que lhes direi agora mesmo
Não se esqueçam de sua Mãe... Jamais!
Nem hoje... Nem amanhã... Nem nunca!
Quer seja, ou fora ela, uma santa ou meretriz dissimulada
Então, nem tampouco, por conta disto ou daquilo,
Venham-me com descabidas desculpas...esfarrapadas,
Para justificar os porquês injustificáveis de suas ausências
Junto a ela,viu?!
Pois foi ela, a minha, a tua, a nossa Mãe, enfim
Quem generosamente nos concedeu:
- A “vida”...que,nesse agora, vivemos intensamente!
- O “primeiro acalanto” que recebemos, ah foi no seu útero
Aconchegante!
- O “primeiro alimento”, ah sugamo-lo, famintos,
De suas benditas tetas a esguichá-lo por amor
Abundantemente!
E um tantão de outras proezas maternas
De uma ternura verdadeiramente tão simples
Que, nesse agora, eu não as pretendo elencar
Pois não estou afim de que alguém desfaleça
De encantamentos... Ora!

-Porquanto essas tantas proezas deliciosas
E muitas outras mais ainda, também inesquecíveis,
Reparem bem no que lhes direi agora mesmo
Óh filhos e filhas amados da Mãe amada
Não há como esquecê-la nem bem devagarinho sequer!
Tenhamos então, nossa Mãe amada, sempre conosco
Bem cá dentro de nossos corações e, sobretudo,
Bem pertinho de nós... Sem omissão alguma, hein?!
Pois se ter a dádiva de conviver com ela , cotidianamente,
Será, deveras, para todos nós...  Sem exceção de ninguém!
Uma imensurável bênção celestial, enfim!

-Portanto, oh filhos e filhas amados da Mãe amada,
 Reparem bem no que lhes direi agora mesmo
Apressemo-nos, apressemo-nos, enquanto ela, nossa Mãe ,
Ainda está cá entre nós, sabe-se lá por quanto tempo, para:
- Debruçarmo-nos, a miúde, em seu colo macio
- Confortá-la com incontáveis afagos inenarráveis
- Balbuciar-lhe ao pé do seu cangote doces palavras de amor
- Beijá-la no rosto e nas suas mãos calejadas ou bem cuidadas
- Sentir o seu cheiro cheiroso de mãe da gente, fragrância única
- Tomar-lhe a bendita bênção, sim, ao chegar e ao sair,também,
- Admirar seu lindo vestido de chita em flores mimosas estampado
- Convidá-la para passear, pois será melhor que lhe dar panelas
- Ouvir atentos e curiosos a seus causos e suas lamúrias infindas
E uma infinidade de outras generosas atitudes que demonstrem
A nossa eterna gratidão e nosso imenso amor por ela tão amada
Para não nos amargurarmos, após sua partida lá pras bandas do céu,
Com os tantos dissabores de uma imensa saudade sem fim, Falou?!


RELMendes   08/05/2017

terça-feira, 2 de maio de 2017

Não me atenho a Pretéritos



Óh abusadas brisas das lembranças
Leva depressa daqui
De cá de dentro de mim
Qualquer sonho de Amor
Que não vivi plenamente
Pois eles para mim jazem
Complemente... Em algum lugar
Mesmo porque desses sonhos
De Amor lá do pretérito, por decerto,
Já não mais me lembro  
De nenhum sequer!

Fluam outros novos sonhos Ora!
Pois à toa estou eu aqui agora
Senão ventos violentos
De alhures ou mesmo daqui
Sussurrar-me-ão...novamente,
Amores breus... Escusos... Cênicos!
E não os quero, no momento.

Terei eu outros devaneios sim
E bem os quero por demais agora
Em neon lilás doravante... Quiçá!
Os em breus entretanto, se os tive,
Sepultaram-se lá no Pretérito distante.
Despertá-los às essas alturas da Vida
Seria lambuzar-se, novamente,
De incontáveis desencantos e descontros
Totalmente inconcebíveis,
Neste agora...
Porquanto urge –me, neste então,
 Outros Sonhos, muito mais lindos, enfim.  


RELMendes 27/04/2017

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Há que se ser mais generosos sempre



-Êta devagar com o andor porque o Santo é de barro!

-Não há coisa, tão bem urdida, neste mundo,
Que mate a jornada da dor d’alma de um sofredor
De tantas saudades tão bem escondidas
Nos desvãos de seu pretérito!

-Nem tampouco há coisa, tão bem urdida,neste mundo,
Que mate a imensa gastura da dor da fome de alguém
Que não tem o que comer quando está faminto!

-Pode-se até tecer incontáveis suposições
Perder-se em conjecturas mirabolantes
Mas senão as desgutamos, na própria pele,
Difícil é sentir tais dores que pululam na pele de outrem,
Que a lamentar-se de suas agruras constantememte
Faz-nos quebrar esquinas, entrar em becos excusos
Pra nos livramos de ouvir seus intermináveis lamentos

-Êta devagar com o andor porque o Sasnto é de barro!

-Entretanto, permitamo-nos fazer a diferença:
- Sejamos atenciosos apesar dos pesares sim
- Usemos e abusemos da paciência pra ouvir mais sim
- Acolhamos...despretenciosamente,
 A quem nos busca  sim
-Sejamos longanimos em nossos julgamentos sim
etc & tal

-Enfim, como diz Drumond(Carlos):
-  Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?  


RELMendes 25/04/2017

sábado, 22 de abril de 2017

As coisas simples da Vida sempre nos felicitam


Sim... Sim, nas coisinhas mais simples da Vida
Escondem-se os mais preciosos Tesouros da Felicidade:
- Um amanhecer-se de alvoreceres
- Um cuidar carinhosamente da Terra,
   essa nossa linda casa comum
- Um carrinho de mão pra se empurrar
- Um abraço acolhedor pra se abraçar
- Um sorriso gratuito de Pai pra se sentir seguro
- Um cheirinho gostoso de Vó pra se aninhar
- Um afago de Mãe amorosa pra se sentir amado
- Um cafuné do Amor da gente pra se repousar
- Uma visita amiga aconchegante que nos queira bem
- Um escutar sem dizer nada pra nos consolar
- Um ser ouvido atentamente pra nos valorizar
- Uma passeinho inesperado pra gente se regalar
- Uma gargalhada gostosa pra desopilar o fígado
- Um cheirinho de comida na panela
- Um presentinho de aniversário surpreendente
- Uma gostosa reunião de amigos pra se matar a saudade              
- Um telefonema inesperado cheio de boas notícias
- Um bom dia de vizinhos achegados ou não
- Um papo furado numa pracinha qualquer etc & tal

Enfim, até ficar um pouquinho só, consigo mesmo,
Pra se desfrutar a deliciosa oportunidade de poder
Não fazer nada de nadica...
Também é muito bão dimais... Ara!


RELMendes 21/04/2017

sexta-feira, 21 de abril de 2017

AMERÍNDIOS, PRIMEIROS DONOS DO BRASIL


Óh Ameríndios, primeiros donos e probos zeladores 
dessas terras desse imenso território de Pindoramas
verdes balouçantes ao vento brando ou forte
Sertões agrestes e veredas borbulantes
Florestas vastas frondosas cheias de frutos
e alimentos protéicos de todas as espécies
Rios caudalosos córregos e riachos de águas
cristalinas potáveis repletas de peixes saborosos
Mares verdes azuis lilaz mesclados de cores inenarráveis
com suas belas orlas de areias alvas peroladas
acinzentadas etc & tal

Ora! Enquanto vós zelastes, Óh primeiros homens do Brasil,
por esse extraordinário jardim que Tupã lhes confiou
o nosso meio ambientes manteve-se  saudável e próspero...

Mas o branco, ao subtrai-lo de vós,  logo a Natureza
e a nossa casa comum, a  mãe Terra, clamaram por Socorro
aos homens de bem de todo o orbes
contra a abominável agressão desse homem branco depredador
cuja ambição econômica não tem limites plausívéis
que se possa mais suportar, enfim!

Portanto, a Terra, a Natureza e os homens de boa vontade,
alardeados, hoje, de eterno reconhecimento,
vos agradecem profundamente o longérimo período
em que esse imenso território do Brasil
esteve sob os vossos respeitosos cuidados...
Óh ameríndíos, queridos homens e mulheres,
primeiros donos do Brasil!


RELMendes 19/04/2017

quinta-feira, 20 de abril de 2017

ODE AO SILÊNCIO



Quando o silêncio se derrama
Do ali não sei eu bem d’onde
Generosamente, sobre mim
O barulento meu aqui sem lei alguma
Aquieta-se profundamente silente
E põe-se a trilhar... Bem devagarinho!
Por onde Deus habita e meu eu, tão humano,
Resvala , serenamente, por ali, orvalhado
De uma paz sem fim...


RELMendes 08/05/2015 

terça-feira, 18 de abril de 2017

Sou Bocó...e não nego!


-Sou totalmente Bocó...ara! 
Assumidamente Bocó...ora!

-Porque tateio as ilusões do ontem
Do hoje e as do porvir...
Resvalando-me sempre em estrelinhas
Que alumiam-me a mente de passarinho
Que...em mim ainda há,
E voo acima dos ciscos do percurso
Que tentam enfear-me a alma ou fusquear-me: 
- Os alvoreceres radiantes... sem paredes.
- Os luares argentosos a alumiar horizontes...
E os sonhos pululantes de um poetinha Bocó
Que se encanta com a simplicidade
Que sempre se despeja...abundantemente,
No acontecer de seu cada dia...da Vida
Só pra encantar-lhe a alma de Bocó...

-Sou totalmente Bocó...ara! 
Assumidamente Bocó...ora!

-Porque me acrescento de criança brincante 
E de um punhadinho de passarinhos voantes
Que conversam...entre si, bobagens...
Mas encantam a mim e a quem os ouve solfejar 
Suas maviosas oralidades musicais...

-Sou totalmente Bocó...ara! 
Assumidamente Bocó...ora!

-Entretanto, escovo-me...sorridentemente,
E estimo-me...profundamente,
Esgueiro-me enfim de qualquer forma d aborrecimentos
Sobretudo daqueles que insistem em não serem BOCÓS... 
Assumidos! 
Privando-se  destarde,  definitivamente de descobrirem 
Serem as tardes parte do haver das belezas dos dias... Óh!
Ora!... Mas enfim, ninguém é obrigado de maneira alguma
A ser Bocó assumido como eu, pois não?!

RELMendes Montes Claros (MG), 18/05/2016

quinta-feira, 13 de abril de 2017

O inenarrável dom de lágrimas



Ah todas as lágrimas salgadas
Ou são minhas ou são do mar
São minhas as que derramo
 Quando estou alegre ou triste
Ou então inebriado
De Amor pelo Amor...
Que amando-me... Seduz-me!

-Pois minhas lágrimas salgadas
São uma unção ou um dom inigualável
Do fogo suave e abrasador
Do Amado Paráclito Prometido
E porquanto “Ele” em mim habita
Vez por outra em mim toca... age 
Orando por mim e em mim
Com inefáveis gemidos de Amor:
- Aba... Aba... Aba...
(“Ó meu “Papaizinho!”)

-Ah! Mas quão inefável és óh saboroso dom celestial
Que leva-me à copiosas lágrimas incontidas
De inenarrável Alegria Espiritual... Sem igual!

-Óh meu doce e amado Jesus, Principe da Paz,
Quão grande é o vosso Amor por nós
E quão imensa é nossa gratidão a Vós!

RELMendes 12/04/2017


quarta-feira, 5 de abril de 2017

O escondimento do crepúsculo


Assolam-me lampejos d’esperança
Na linha tênue entre mim e mim mesmo
Onde perco-me em insondáveis anelos

Ah inespugnáveis são os anseios
Lá em mim escondidos
Eles transeuntes deselegantes perambulam
Em mim...insistentemente, sempre
Sem nunca dizerem-me a que vieram
E nem aonde pretendem levar-me...

Quiçá em viagem muito além de onde almejo
Fascinado pelo crepúsculo que hora
Lá no horizonte lentamente esconde-se
Sem prestar satisfação a ninguém
Senão à noite que ligeira se achega
Poderosa e infinitamente Bela!


RELMendes 05/04/2017

domingo, 2 de abril de 2017

Que graça teria se amar uma cópia da Gente?


Ah, a meu ver nenhuma! Pois acho que a graça de Amar
Está em a gente saber que a melhor coisa da Vida
É Amar o diferente! Pois o mais do mesmo é insosso,
Sem graça Sem borogodó Sem malemolência alguma...

Então desabemos os preconceitos abomináveis
Escancaremos as portas e as janelas do coração
E acolhamos o outro, nosso semelhante, tal qual é,
Da mesma forma que gostaríamos de ser acolhidos
Tal qual verdadeiramente, na realidade, o somos.

Pois gentileza  gera gentileza e, em conseqüência,
Seremos todos muito mais felizes...
Então, tenha-se por certo, que só seremos todos
Muito mais Felizes se nos amarmos, uns aos outros,
Como, verdadeiramente, na realidade, o somos.
Pois só a diversidade tem o poder de enfeitar
O lindo jardim da Vida!


RELMendes 31/03/2017

sexta-feira, 31 de março de 2017

Sou feliz assim como sou


-Pois ladeio-me sempre de coisinhas simples:
- Velhas amizades queridas
- Garrafas de pequi curtido
- Banda de requijão roceiro
- Doces de buriti e mamão verde
- Polpas de umbu acerola e mangaba
- Carne de sol feijão tropeiro com folhas
   De “ora pro nobis” coentro e taioba...

-Circundo-me sempre de sonhos pueris:
- Brincar de pintar estrelas
- Fazer de conta que sou menino
  Passarinho a voar além montes
- Ser poetinha de versinhos singelos
  Quando não sei nem assoletrar a contento
- Sarracotear pelas praças pra namorar
  As meninas faceiras que por lá debulham
  Olhares que ainda me fascinam à beça
-Soltar pipas coloridas na minha rua e adjacências
  Aos céus azuis de minha terra amada...

-Ah! Deixo-me sempre  levar por boas lembranças:
 - Saudade do primeiro amor da infância distante
- Saudades dos beijos que não roubei...
E daí, se isso tanto me apraz e, não d’outra forma,
Enternece-me tanto...também,  Ora!

RELMendes 26/03/20 17


quinta-feira, 30 de março de 2017

Sob o auspicio do discernimento


Que rufem os tambores
De tudo que há de bom no mundo:
- Fraternidade – Compaixão - Tolerância

Que se dissipem as cerrações
N’alma consternada com as agruras
Do dia a dia que a circundam:
- Maledicências – Murmurações - Intrigas

Que tão-somente o Amor a Paz
A Esperança a Fé e a Serenidade
Sejam pontuais na caminhada terrena
De todos os seres humanos do rol
Dos que estão sempre em busca da Luz
Que não se apaga nunca. Assim seja!


RELMendes 29/03/2017