domingo, 12 de janeiro de 2014

Se é Gabriela/ por decerto/ é bela!...



-Cheiro de cravo/pilado/
Pele cor de canela/ralada/
Sempre asperge beleza...
Por onde passa faceira:
- Na roça ou no vilarejo,
- Nas vielas/ ruas/ calçadas/
- Nas bodegas/ botecos/
- Biroscas ou bares...
Gabriela / ah/tinhosamente/
Sempre/ por onde pisa/ manhosa/
Arranca suspiros e ais/
Profundos/ à beça!

-Nas praias... Ah/nem se fala/!
Quando faceira /nelas/ Gabriela desfila/
Com proposital malemolência/
Sob os olhares /ávidos e  indecorosos/
Daqueles que foram por ela /fascinados/
É só encantamento!...

-Ah, meu camarada!
Quando /na tina a transbordar/
Gabriela se banha nua/Putzgrila!
Não há quem/no mundo/ contenha
A desvairada paixão...avassaladora/
Que por ela aflora/ rua afora!...

-Gente/ isto  não sou eu quem o diz/não/
Mas sim/ aquele tal do Jorge/
Amado escritor /brasileiro/
Que ninguém/ se bom da cabeça/
Ousa contradizê-lo/ Jamais!...


Montes Claro (MG), 19-06-2012
RELMendes

Um comentário:

  1. "Quando eu vim lá da Bahia"...

    Sempre amado Jorge.
    Lindo texto.

    ResponderExcluir