sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O esplendoroso alvorecer sertanejo



Ah, gosto!
Gosto que gosto mesmo
De apreciar o sol esbugalhar
Seus radiantes olhos lá das vísceras do sertão,
Pra, de esguelha, se pôr a espiar
(Afrontosamente!)
O retraimento acabrunhado da noite
Ainda enfeitada de luar...
E bordada de estrelas reluzente
Que vão subitamente se apagando
Ao perceberem seus raios refulgentes,
Pra dar espaço ao resplendor do alvorecer,
Que amanhece-me de encantamento...
Porque dourado e radiante!

Então, feliz, estatelo os olhos ao novo dia...
E balangando-me nos ternos braços da alegria.
Acolho-o, porque quero degustar
 (avidamente!)
O pulsante ressoar da vida
Que em mim ainda mora,
Despudoradamente!...

Montes Claros (MG), 10-01-2014

RELMendes

Um comentário:

  1. belíssimo poema! pintou com palavras o alvorecer do sertão!

    ResponderExcluir